A informática na educação se tornou um dos principais tópicos na base curricular de ensino, visando trazer mais acessibilidade e informação a alunos, no quesito inclusão de alunos especiais é ainda mais importante já que permite maior interação social tanto com seus colegas quanto com familiares.

Não há como dissociar o desenvolvimento de uma nação e sua relação com a educação. Estamos vivendo no século da sociedade do conhecimento, onde qualquer informação está ao alcance de todos, em qualquer lugar, bastando ter acesso a internet. Cursos online, por exemplo, podem nos oferecer apoio e formação em diversas áreas do conhecimento, ao mesmo em tempo em que proporcionam conforto e flexibilidade em sua metodologia de estudos.

No entanto, de nada adianta ter um volume imensurável de informações disponíveis sobre qualquer assunto ou área, se o ser humano não souber trabalhar com essas informações e transformá-las em conhecimento prático e aplicável. E é justamente esse o papel da nova escola, a escola que deve, primeiramente, aprender a lidar com essas mudanças significativas da sociedade e aplicá-las em seu cotidiano, instrumentando os alunos que farão uso desses conhecimentos para continuar a transformar o mundo em que vivem.  

A informática na educação é capaz de quebrar barreiras e mostra-se como um ótimo recurso pedagógico da escola inclusiva. Nesse artigo, iremos abordar alguns aspectos gerais da educação, e como podemos aplicar novos recursos para melhorar o desenvolvimento de alunos e a inclusão nas escolas.

A informática na Educação

Conforme mencionado anteriormente, instrumentalizar os alunos e capacitá-los, é fundamental.

Os educadores devem estar preparados para conhecer e aplicar os benefícios de novos recursos pedagógicos, a exemplo da informática na educação, em suas aulas, visando integrar e orientar os alunos da melhor forma para que estes desenvolvam suas habilidades de maneira integral e se tornem capazes de gerenciar suas ações como agentes transformadores na sociedade.

A educação do século XXI e suas implicações

Na sociedade do século XXI, a absorção pura e simples de informações das mais variadas áreas, deve dar espaço às habilidades de pensar, saber pesquisar e comunicar-se com os demais de forma lógica e eficiente, ou seja, a educação do século XXI deve preparar o indivíduo para ser socialmente competente.  

Jacques Delors (1998), autor e organizador do relatório para a Unesco (Organização das Nações Unidas) da Comissão Internacional sobre Educação para o século XXI, intitulado: "Educação, um Tesouro a descobrir (1996)", apresentou em sua obra quatro pilares necessários a uma educação plena, pois, segundo ele, na sociedade do conhecimento, o indivíduo deverá ser capaz de aprender ao longo de toda a sua vida. De forma resumida, centram-se em: 

  • Aprender a conhecer – o indivíduo deve ser capaz de compreender, descobrir, construir, reconstruir, e reinventar de maneira prazerosa e autônoma o conhecimento, tornando-o duradouro; 
  • Aprender a fazer – numa sociedade em constante transformação, é notória a evolução que atinge todos os segmentos da sociedade, e não poderia ser diferente em ao relação setor de trabalho. Para fazer parte do mundo atual cada vez mais competitivo, o indivíduo deve ser capaz de reaprender a todo instante, desenvolvendo não apenas habilidades cognitivas, mas também sociais, que passam pela capacidade de trabalhar em equipe, ser colaborativo, ter iniciativa e capacidade de arriscar e resolver conflitos.  
  • Aprender a ser – além de desenvolver habilidades cognitivas, o indivíduo na sociedade contemporânea deve desenvolver-se nas questões éticas, estéticas, ser responsável consigo e com os demais, ser autônomo, crítico, criativo, inventivo. Em suma, a aprendizagem deve ser de forma integral, desenvolvendo todas as potencialidades individuais do ser. 
  • Aprender a conviver – numa sociedade formada por desiguais, é fundamental que o indivíduo desenvolva a empatia, o respeito e saiba aprender com os demais.  

Nesse sentido, a educação no século XXI caminha para vencer as mais diversas barreiras. Abandonar métodos ultrapassados e ineficazes e se adequar às novas realidades faz parte da evolução e exige das escolas essas mudanças. Nisso, inclui-se cada vez com mais frequência as discussões sobre a educação especial inclusiva. As escolas regulares, em atendimento à Lei Nº 13.146, de 6 de julho de 2015, devem estar preparadas para acolher e preparar alunos com Necessidades Educativas Especiais (NEE), oferecendo um atendimento educacional especializado, a fim de proporcionar a este aluno o desenvolvimento pleno de acordo com os 4 pilares da educação mencionados acima.  

Para tanto, diversos aspectos devem ser levados em conta. Além de compreender o que é a educação especial inclusiva e qual o papel da escola e do professor nesse processo, conhecer recursos pedagógicos e saber aplicá-los é fundamental. E a informática na educação  é um dos recursos essenciais nesse processo e nosso curso online busca elucidar algumas questões para fazer um bom uso desse recurso na sala de aula. 

Buscar atualização nessa área é fundamental ao educador comprometido com uma educação plena e eficiente e um curso de educação especial  proporcionará uma base para melhor compreensão de todos os aspectos relacionados a esse tema.  

O curso online Acessibilidade e Informática na escola inclusiva  do portal Educamundo tem como objetivo trazer informações sobre esse tema tão rico e tão importante para o professor comprometido com uma educação de qualidade, inclusiva e acessível a todos. Acompanhe o artigo e tire suas dúvidas sobre o tema. 

A função da escola 

Todas as mudanças elencadas no tópico que introduz esse artigo certamente nos levam a pensar qual é o papel da escola nesse cenário atual. Você provavelmente já se deu conta de que, além das mudanças e evoluções que permeiam as questões relacionadas à tecnologia, já que, por exemplo, ano após ano vemos novos recursos à disposição em nossos smartphones, as relações e o modo como a sociedade interage também mudaram.  

Ao longo dos anos, a sociedade se reorganizou. As profissões e o modo de executar diversos tipos de ofício também mudaram. Tudo isso implica num movimento geral de atualização. Todos os segmentos acabam sendo diretamente atingidos e com a escola não poderia ser diferente. 

Você já imaginou o impacto que seria para um aluno do século XXI, que já nasce intuitivamente sabendo usar celulares e tablets, ficar limitado a usar uma enciclopédia para realizar uma pesquisa, ou ter apenas um ábaco à sua disposição para realizar cálculos? Ele certamente não entenderia o porquê das horas gastas em recursos como estes - não os desmerecendo, pois são e foram recursos riquíssimos à sua época -, tendo as respostas necessárias ao alcance das mãos, em qualquer lugar, bastando apenas acessar a internet para pesquisar sobre qualquer assunto ou o celular para fazer qualquer cálculo.  

A escola, como instituição, e todos os agentes envolvidos no processo educativo devem se dar conta desse processo e a necessidade de inserir recursos como, por exemplo, a informática na educação dos jovens que compõem o corpo discente das instituições públicas e privadas de ensino atualmente. Através da informática, a escola pode até mesmo oferecer uma formação complementar, através de cursos online nas mais diversas áreas do conhecimento. 

Outro aspecto a ser levado em conta é a democratização do ensino. Nos dias de hoje, a escola é para todos. É dever das diferentes esferas governamentais oferecer educação básica gratuita e de qualidade a todos os cidadãos e é dever dos pais e responsáveis matricular seus filhos e garantir que eles frequentem e concluam todas as etapas do processo educativo.  

Émile Durkheim, sociólogo, antropólogo, cientista político, psicólogo social e filósofo francês, conceituou a escola como sendo uma instituição social, na qual a formação do indivíduo deve se dar de forma integral, englobando aspectos relacionais e afetivos, culturais e cognitivos, sociais e históricos, transformando-o em um agente capaz de agir sobre a evolução da sociedade e da própria humanidade.  

Mas você deve estar se perguntando quais as implicações reais de todos esses conceitos no espaço escolar. A resposta é garantir a aplicação dos quatro pilares propostos por Delors (1998) e citados anteriormente. 

À escola, como instituição, cabe assegurar o direito à educação igualitária e garantir o acesso e a permanência a todos os que a ela têm direito, inclusive em relação à educação especial inclusiva

Apesar da leis vigentes que asseguram esses direitos, muito ainda precisa ser feito.  Apesar da filosofia de democratização, a realidade do ensino no país ainda se configura como um processo de seleção, descartando os menos preparados, jogando por terra o conceito de "educação como processo de libertação". 

Cabe aos pais, educadores e à própria escola garantirem que os jovens se tornem capazes de criar, promover e aplicar suas habilidades pessoais em prol do desenvolvimento coletivo, levando em consideração suas capacidades e limitações individuais, tanto por meio da educação formal quanto através do incentivo na busca pela formação em cursos online com certificado, que possam agregar valor ao currículo e à formação dos indivíduos, futuros agentes sociais. 

Nesse sentido, a busca por informações e conhecimentos que auxiliem o trabalho docente a executar de forma eficiente esse processo é valiosa. Um curso de educação especial inclusiva é uma ótima opção e esse é um dos focos do curso online Acessibilidade e Informática na Escola Inclusiva do Educamundo. 

O tópico seguinte apresenta o conceito e as implicações em relação à educação especial inclusiva , um dos tópicos principais desse curso online.

Educação inclusiva: conceito

Cursos online com certificado e cursos a distância se tornaram uma ótima opção para aqueles que buscam aperfeiçoar a formação em determinada área. Disponíveis nas mais diversas áreas do conhecimento, os cursos online na área da educação se tornaram aliados dos docentes que têm uma rotina movimentada, mas, nem por isso, deixam de lado o aperfeiçoamento profissional.  

O Educamundo, através do curso online de Acessibilidade e Informática na Escola Inclusiva, visa elucidar algumas questões e propor recursos para facilitar a prática docente, como o uso da informática na educação, por exemplo. 

Provavelmente você conhece ou pelo menos já ouviu falar que existem leis que asseguram o acesso às pessoas com necessidades especiais aos direitos básicos. 

educação especial inclusiva é regida por lei no Brasil e todas as escolas devem estar preparadas para receber alunos com necessidades especiais e atendê-los de forma integral, assegurando seu desenvolvimento como ser em formação e capacitando-o para ser um agente transformador na sociedade em que vive. Mas você sabe qual o conceito e a diferença entre de educação especial e educação inclusiva? 

A educação especial é aquela voltada ao atendimento de pessoas com necessidades especiais. É organizada de forma a atender alunos com as mais diversas necessidades para que eles consigam desenvolver suas habilidades. Conta com atendimento especializado de educadores físicos, professores, terapeutas, pedagogos, psicólogos, fisioterapeutas dentre outros agentes necessários e habilitados a auxiliar os indivíduos durante os estágios de seu desenvolvimento.  

Já a educação inclusiva é um conceito que garante a todos os estudantes que apresentem alguma necessidade especial o acesso à sua formação em instituições regulares de ensino.  

Nesse sentido, cabe salientar que as escolas devem estar preparadas tanto em relação ao seu espaço físico quanto em relação aos profissionais que nela atuam para receber e promover o desenvolvimento desses indivíduos.  

Mas no que isso consiste? Bem, dentre os mais diversos aspectos, podemos citar os seguintes: 

  • Adequar todos os espaços escolares para receber alunos com as mais diversas necessidades especiais, inclusive implementar salas de recursos multifuncionais com equipamentos, mobília e recursos didáticos e pedagógicos que promovam o desenvolvimento dos mesmos. 
  • Formulação de um Projeto Político Pedagógico que atenda à diversidade de toda a comunidade discente; 
  • Promover a formação continuada de professores para o atendimento educacional especializado, seja por meio de cursos presenciais, cursos a distância ou cursos online com certificado que garantam a instrumentalização do docente, tornando-o apto a reconstruir conceitos em relação à educação escolar, inclusive reformular currículos que sejam capazes de atender às necessidades e expectativas dos alunos; 
  • Garantir o apoio e o acesso dos alunos aos mais diversos serviços sociais ou médicos, visando seu bem-estar e desenvolvimento pleno. 

Informática na Educação

Necessidades Educativas Especiais (NEE)

Um curso online de educação inclusiva como este não pode deixar de explicar o que são Necessidades Educativas Especiais (NEE).  

Segundo o professor Luis de Miranda Correia, autor do livro "Inclusão e necessidades educativas especiais: um guia para educadores e professores", o conceito NEE se aplica a indivíduos com problemas sensoriais, físicos e de saúde, intelectuais e emocionais, com dificuldades de aprendizagem específicas derivadas de fatores orgânicos ou ambientais. 

Nesse sentido, são crianças e adolescentes que necessitam de apoio e serviços especiais durante o processo de formação escolar, a fim de que estes sejam capazes de desenvolver suas habilidades e capacidades cognitivas e pessoais. 

Como exemplo, pode-se citar problemas como deficiências visuais e auditivas, mentais, problemas motores, transtornos mentais e comportamentais, dificuldades de aprendizagem específicas, problemas de saúde, dentre outros.  

Portanto, há a necessidade de promover adequações curriculares de acordo com as capacidades e necessidades individuais de cada um, bem como, trabalhar em conjunto com serviços e apoios especializados como fonoaudiólogos, fisioterapeutas, psicólogos dentre outros já citados anteriormente.  

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Se deseja trabalhar na área, você deve lembrar:

  • O que é uma escola inclusiva? Uma escola inclusiva é basicamente aquela que da oportunidade de educação a todos os indivíduos independente de suas dificuldades físicas, crença, sexo, raça e nacionalidade.
  • O que é informática na educação? A informática na educação é um sistema de inclusão da tecnologia na rotina dos estudantes visando interagir com uma das ferramentas mais utilizadas na atualidade tanto em empresas e mercado de trabalho até na própria residência.
  • Qual é a importância da informática na educação? A importância da informática na educação visa trazer um dos instrumentos mais revolucionários como forma de ensino, tendo papel fundamental nos meios de aprendizagem levando os alunos a um ambiente diversificado de aprendizagem, incluindo seu conhecimento em currículos o que traz diferencial no mercado de trabalho atual.
  • Vantagens da informática na educação: Algumas das maiores vantagens da informatica na educação são; 1- Acesso a tecnologia 2- Maior chance de sucesso no mercado de trabalho 3- Grande interação social 4- Complementação de aprendizagem 5- Incentivo á criação
  • Qual a importância da informática para pessoas com deficiência? Uma das principais questões sobre a informática para pessoas com deficiência é maior interação social, atualmente os computadores ja contam com programas que se adaptam a deficiência de cada aluno como lupa para deficientes visuais, adaptação do mouse para deficiência motora entre outros.

Educação inclusiva no Brasil: legislação vigente 

Um curso de educação especial não seria completo se não resgatasse o histórico pelo qual passou a legislação que rege os direitos das pessoas com necessidades especiais.  

As discussões sobre a Educação Especial e Inclusiva no Brasil e no mundo são antigas. Em 1990, por exemplo, um documento da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura afirmou que as necessidades básicas de aprendizagem das pessoas portadoras de deficiências requerem atenção especial. "É preciso tomar medidas que garantam a igualdade de acesso à Educação aos portadores de todo e qualquer tipo de deficiência, como parte integrante do sistema educativo”, dizia o texto.  

Já em 1994, a Declaração da Salamanca, resolução da Organização das Nações Unidas (ONU), trata dos princípios, políticas e práticas das necessidades educativas especiais e traz diretrizes para a estrutura de ação em Educação Especial, para as mais diversas nações.  

Durante uma convenção da ONU em 2009, o Brasil tornou-se signatário da Convenção sobre os Direitos das Pessoas com Deficiência, segundo a qual os países devem garantir a educação inclusiva em todas as etapas do ensino.  

No curso online Acessibilidade e Informática na Escola Inclusiva, você confere uma linha do tempo da trajetória das leis que garantem a inclusão de alunos com necessidades especiais na escola regular. 

Em 1961, a Lei Nº 4.024 - Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDBEN) -  garantia o acesso das pessoas com deficiência, na época denominadas como "excepcionais", a fim de integrá-los à comunidade.  

A segunda lei de diretrizes e bases educacionais do Brasil, datada de 1971 (Lei Nº 5.692), época da ditadura militar, substituiu a anterior e definiu que os alunos com deficiências físicas ou mentais, atrasados em relação à idade regular, bem como os superdotados deveriam receber tratamento especial, em escolas especiais, não promovendo, portanto, a inclusão social da criança. 

Já com a promulgação da Constituição Federal em 1988, a chamada "Constituição Cidadã", os artigos 205 e 206 asseguram a Educação como um direito de todos, garantindo o pleno desenvolvimento da pessoa, o exercício da cidadania e a qualificação para o trabalho e a igualdade de condições de acesso e permanência na escola. O artigo 208 corrobora e insere os portadores de deficiência - como eram nominados na época - afirmando que é dever do Estado garantir atendimento educacional especializado aos portadores de deficiência, preferencialmente na rede regular de ensino. 

De lá para cá, muitas foram as leis, decretos e resoluções para chegarmos onde estamos hoje.  As discussões e debates sobre a Educação Especial e Inclusiva no Brasil se intensificaram a partir da instituição do Plano Nacional de Educação (PNE) em 2014, que visava determinar 20 metas que devem ser cumpridas no país num prazo de dez anos.  

O texto prevê: “Universalizar, para a população de 4 a 17 anos com deficiência, transtornos globais do desenvolvimento e altas habilidades ou superdotação, o acesso à educação básica e ao atendimento educacional especializado, preferencialmente na rede regular de ensino, com a garantia de sistema educacional inclusivo, de salas de recursos multifuncionais, classes, escolas ou serviços especializados, públicos ou conveniados”. A polêmica, nesse caso, se deu por causa do uso de "preferencialmente" e não obrigatoriamente.  

Em julho de 2015, foi sancionada pela então presidente da República, Dilma Rousseff, a Lei 13.146  denominada Lei Brasileira de Inclusão da Pessoa com Deficiência (Estatuto da Pessoa com Deficiência). 

Dentre todos os demais direitos assegurados, o Artigo 27, Capítulo IV norteia a educação afirmando: "A educação constitui direito da pessoa com deficiência, assegurados sistema educacional inclusivo em todos os níveis e aprendizado ao longo de toda a vida, de forma a alcançar o máximo desenvolvimento possível de seus talentos e habilidades físicas, sensoriais, intelectuais e sociais, segundo suas características, interesses e necessidades de aprendizagem". Isso tanto no âmbito público quanto no privado.  

O Estatuto, no que diz respeito ao âmbito escolar, assegura, dentre outros itens, um projeto pedagógico que atenda as necessidades especiais e individuais do aluno para que ele possa desenvolver-se de forma plena e igualitária; currículos adaptados às especificidades de cada necessidade; formação continuada aos docentes; atendimento especializado; além, é claro, da questão em relação à acessibilidade física que deve ser promovida em todos os ambientes escolares. 

A educação inlusiva, assim como a educação no Brasil de forma geral, necessitam de atenção e de discussões permitinentes que tenham como objetivo desenvolver e melhorar o cenário no qual nos encontramos hoje. 

Se você é professor, já atua na área ou tem interesse no assunto não deixe de se capacitar e se atualizar nesse tópico tão importante.

Inscreva-se no Educamundo para iniciar seus estudos no curso Acessibilidade e Informática na Escola Inclusiva, ou escolha entre os mais de 1.200 cursos a distância disponíveis nas mais diversas áreas. Por apenas R$ 69,00 ao ano, você tem acesso a todos os cursos do Pacote Master, válido por um ano. Depois de estudar quando e onde quiser com um curso online, você ainda pode fazer o processo de certificação que é opcional e está disponível para todos os cursos.  

Então, não perca tempo, e faça hoje mesmo sua matrícula nos melhores cursos online com certificado. Em caso de dúvida, é só enviar uma mensagem para nossa equipe, ficaremos felizes em atendê-lo. Aproveite para comentar o artigo e compartilhá-lo em suas redes sociais. Boa sorte e até breve.