Home / Blog / Educação / Plano de ensino passo a passo: o que é e como elaborar
  • 18/08/2022

Plano de ensino passo a passo: o que é e como elaborar


  • Autor: Equipe Educamundo
  • Compartilhe:
    facebook twitter linkedin
plano de ensino

Para ministrar suas disciplinas, os professores precisam de estudo, planejamento e criatividade, para elaborar aulas que atraiam o interesse, a atenção, o engajamento dos alunos e garantam uma aprendizagem efetiva de qualidade. 

Porém, nem todos os docentes estão preparados ou sabem como fazer um plano de ensino anual adequado que contenha os itens necessários para ajudar na construção das aulas e desenvolvimento das competências exigidas.

Até porque o plano de ensino é o elemento que vai basear toda a prática pedagógica e evolução da disciplina.

Por isso, neste artigo, vamos mostrar o que os professores precisam saber para fazer um plano de ensino efetivo. Aproveite as dicas!

O que é plano de ensino?

Basicamente, o plano de ensino é a programação do conteúdo a ser estudado e explicado para os estudantes e planejamento das atividades pedagógicas a serem aplicadas durante o desenvolvimento da disciplina no período letivo. 

Com isso, o plano de ensino engloba os objetivos da matéria e descreve os métodos e técnicas para atingir tais resultados. O plano ainda conta com toda a bibliografia usada pelo docente, que pode, por exemplo, ter um catálogo de ebooks segmentado por área do conhecimento para apoiá-lo. Afinal, com um acervo digital, fica muito mais fácil a realização do trabalho dos professores.

Assim, tal plano permite que os docentes preparem as aulas de forma mais assertiva e executem tudo aquilo que foi programado previamente. 

Vale lembrar que o plano deve ser dinâmico, reflexivo e dialógico para promover uma melhor aprendizagem. Da mesma forma, ele precisa ser flexível para inserir os estudantes na construção das aulas para alterar a metodologia de ensino quando necessário.

Plano de ensino x plano de aula: qual a diferença?

Existem muitas dúvidas sobre como fazer um plano de ensino, pois ele é bastante confundido com o plano de aula. 

Na verdade, o plano de ensino se trata de um planejamento completo, que pretende guiar de forma geral as atividades de uma determinada disciplina enquanto durar o período letivo. Esse plano deve ser elaborado de forma a possibilitar alterações, de acordo com as necessidades de aprendizagem.

Entre os principais objetivos do plano de ensino, estão a carga horária e a ementa da disciplina. Também devem ser apresentados itens como a justificativa, além dos objetivos gerais e específicos.

Já o plano de aula é um roteiro que serve para orientar uma determinada aula, com todos os conhecimentos e atividades que estarão envolvidas. Por isso, deve conter mais detalhes, com atenção a todas as fases de apresentação de conteúdos e tarefas, além de consolidação, por meio da fixação de exercícios e avaliações. 

Em uma aula de Língua Portuguesa, por exemplo, o tema da aula pode ser definido como o “uso da crase”. Entre os objetivos, podem estar a definição do conceito da crase e a demonstração da sua função, além de quando usar ou não. Podem ser definidos recursos como a leitura do trecho de uma música que exemplifica o uso de crase.

Benefícios do plano de ensino 

A seguir, confira os principais motivos para elaboração e aplicação de um plano de ensino:

Auxilia o desenvolvimento da disciplina

O planejamento deve funcionar como um norte para o desenvolvimento da disciplina e facilitar o trabalho dos professores. Neste ponto, os discentes também ganham a possibilidade de obter maior progresso. Para isso, o professor deve se questionar o que é importante que o aluno aprenda. 

Mede resultados

Outro ponto positivo importante na hora de estabelecer como fazer um plano de ensino é que ele possibilita aos estudantes a mensuração das suas tarefas. A partir dos objetivos estabelecidos, é possível avaliar se o aluno está tendo um bom desempenho. Caso esteja abaixo da média, pode encontrar uma maneira de melhorar esse resultado.

E as consequências de não ter um plano de ensino?

Por outro lado, não construir um plano de ensino pode fazer com que a disciplina seja ministrada com improvisação, por exemplo. Veja adiante algumas consequências de não adotar esse método:

Falta de sistematização

Caso os docentes não elaborem um plano de ensino eficaz, a disciplina pode avançar  marcada pela improvisação. Sem a estruturação necessária, que permite identificar e corrigir possíveis dificuldades e imprevistos, a matéria pode não alcançar todo o seu potencial didático. 

Dificuldade de aprendizagem

A ausência de planejamento da disciplina também pode acarretar em aulas em que os alunos fiquem sem orientação quanto ao conteúdo que será apresentado. Essa falta de orientação pode prejudicar a aprendizagem da matéria e dificultar a conquista dos resultados pretendidos pelo professor.

Descontinuidade

A inexistência de um plano de ensino ainda pode causar um descontrole das atividades que serão desempenhadas na disciplina. As ações podem ocorrer de forma desordenada e sem coerência com os objetivos definidos.

Principais elementos de um plano de ensino eficiente

Depois de entender o conceito e as vantagens de um plano de ensino, é importante saber como elaborar esse planejamento, de que maneira a estrutura deve ser desenvolvida e quais elementos não podem faltar neste processo.

Para auxiliar os docentes neste contexto, separamos os itens essenciais que devem constar no plano de ensino. Vamos lá!

1. Título da disciplina

A construção de um plano de ensino começa com as informações básicas de identificação da matéria. Neste caso, é preciso colocar a série/turma, nome ou título da disciplina (Matemática), ano, período (diurno, vespertino ou noturno) e nome do professor.

2. Carga horária

Este passo segue ainda a relação de informações básicas e apresenta o número de créditos, o horário da aula, a carga horária semanal e semestral da disciplina.

3. Ementa

A ementa traz os pontos essenciais do conteúdo programático da disciplina. Por isso, deve seguir a linha pedagógica adotada pela instituição de ensino e ser descrita com frases curtas e objetivas, indicando claramente o escopo e foco da matéria. Um parágrafo com quatro ou cinco linhas deve resumir bem os tópicos do conteúdo. 

Além disso, a ementa não pode ser alterada sozinha pelo professor, já que é criada em conjunto com a coordenação do curso.

4. Objetivos gerais e específicos

Os objetivos envolvem os assuntos descritos no item anterior e apresenta a função de tornar possível a execução da ementa. Para isso, são detalhados os conteúdos e competências que os alunos deverão conhecer, compreender, debater e analisar na disciplina.

Podem ser separados em objetivos gerais, que contam com planos mais amplos ao longo da matéria, e objetivos específicos, que serão abordados e acompanhados nas aulas. Vale destacar que os objetivos devem ser explicados em forma de tópicos e com verbos que exprimem a ação.

5. Justificativa

Este tópico de como fazer um plano de ensino é muito simples. Trata-se, na verdade, do motivo de trabalhar e desenvolver determinados assuntos durante o período letivo da disciplina.

6. Metodologia

Aqui, deve ser apresentado o conjunto de estratégias pedagógicas utilizadas pelos professores para facilitar o processo de aprendizagem, com o objetivo de que os alunos assimilem o conteúdo. 

Os recursos e metodologias aplicadas devem atender à explicação dos conteúdos, ao tempo disponível nas aulas e às particularidades da turma. Alguns métodos possíveis são: aulas expositivas, demonstrativas, práticas, passeios de estudo, leituras, trabalhos em grupo, jogos colaborativos e outros.

Neste sentido, as tecnologias e ferramentas educacionais podem ajudar e muito o processo de aprendizagem, com estímulos audiovisuais e maneiras de engajar os alunos. 

7. Conteúdo programático

Os professores devem detalhar os conteúdos apresentados na ementa com a organização e hierarquização dos assuntos que serão trabalhados em módulos. Assim, os temas, conceitos e conhecimentos serão especificados e divididos entre os diversos pontos abordados ao longo da disciplina.

8. Critérios de avaliação

Os processos de avaliação contemplados no plano de ensino são as formas de medir a aprendizagem dos estudantes na disciplina. Então, os professores devem especificar e detalhar quais os critérios e informações sobre as avaliações, como trabalhos e provas a serem realizados, as datas programadas e a atribuição de notas aos alunos.

9. Planejamento das aulas 

Dentro das etapas de como fazer um plano de ensino, o planejamento de aulas é um dos aspectos mais importantes, pois será de extrema utilidade para professores. Afinal, ele permite a estruturação de todo o conteúdo que será trabalhado ao longo das aulas de acordo com um cronograma.

Assim, os docentes podem planejar as aulas de forma eficiente e os alunos poderão organizar as leituras de textos e execução de atividades conforme o programado.

Que tal uma ajuda extra para você aprender mais sobre elaboração de plano de ensino?

Para atender uma demanda contínua que é a capacitação de professores, o Educamundo cria cursos com foco específico em temas de interesse desse público.

Exemplo é o Curso Online Como Elaborar um Plano de Ensino, que faz uma abordagem objetiva sobre os principais tópicos dessa tarefa. 

Dessa forma, os profissionais da área educacional aprendem mais e aplicam melhor seus conhecimentos para criar esse que é um guia para o ano letivo.

Por apenas R$ 79,90, você faz o curso e ainda tem acesso durante um ano inteiro aos demais cursos do portal. Temos centenas de cursos online na área de Educação. Assim, você pode se capacitar mais e adquirir muito mais conhecimento. 

Matricule-se agora mesmo!

SIM! EU QUERO O CURSO

 

Pesquisar