Você já ouviu falar em suprimento de fundos? Trata-se de um adiantamento concedido a um servidor público para algumas despesas que, por sua excepcionalidade, não se submetem ao processo normal de solicitação/aplicação.

É uma execução orçamentária e financeira diferente da padrão, em que o servidor utiliza o cartão corporativo – Cartão de Pagamento do Governo Federal – CPGF – após fazer um empenho orçamentário de despesa própria.

O suprimento de fundos é usado quando não é possível fazer o empenho diretamente ao fornecedor ou prestador de serviços, conforme a Lei 4.320 e em conformidade com a 8.666, que aborda a necessidade ou dispensa de licitação. O evento está ligado ao orçamento público por utilizar recursos públicos.

É importante conhecer como funciona o uso do dinheiro público pelos servidores. Exemplo de seu uso são viagens a trabalho. Acompanhar e fiscalizar a prestação de contas são formas de o cidadão verificar se seu dinheiro está sendo bem aplicado.

Também é importante que se conheçam as formas de denunciar a má utilização desses recursos – os órgãos públicos têm canais de denúncia, meios pelo qual o contribuinte pode, de forma anônima, denunciar irregularidades.

Esses temas também são fundamentais para quem estuda para concursos e se prepara para ingressar na vida pública, assim como para pessoas que trabalham, direta ou indiretamente, com a Administração Pública.

Por isso, o Educamundo desenvolveu o Curso Online Orçamento Público e Suprimento de Fundos, como forma de oferecer um conhecimento sólido no tema e tópicos relacionados.

Quer saber mais? Continue e leitura – vá até o fim que temos uma surpresa para você!

Suprimento de fundos: cartão corporativo, Lei 4.320 e dispensa de licitação

Conheça a seguir alguns elementos importantes que envolvem a tomada de adiantamento de recursos por agentes públicos, que recebe o nome de “suprimento de fundos”.

Lei 4.320/64

A Lei 4.320, de 1964, é que dispõe sobre o regime de adiantamento a funcionários públicos e sob quais condições isso pode ocorrer, ou seja, quando não é possível esperar pelo andamento normal do processo: empenho, liquidação e pagamento. Nesse caso, o servidor é o executor da despesa e deve prestar contas dos recursos que recebeu.

Cartão corporativo

O cartão corporativo é uma denominação simples dada ao Cartão de Pagamento do Governo Federal (CPGF). Trata-se de um meio de pagamento utilizado pelo governo para o pagamento de despesas próprias, que possam ser enquadradas como suprimento de fundos e que não precisam de licitação.

Há limites e regras específicas para sua utilização, assim como a prestação de contas das despesas realizadas.

Dispensa de licitação

A dispensa de licitação acontece pela natureza das despesas que não são planejadas, seja por sua excepcionalidade seja por sua imprevisibilidade. Caracterizam-se suprimentos de fundos as seguintes condições:

a) despesas de pequeno vulto, assim entendidas aquelas cujo valor, em cada caso, não ultrapasse o limite estabelecido na Portaria MF nº 95/2002;

b) despesas eventuais, inclusive em viagens e com serviços especiais, que exijam pronto pagamento;

c) despesa de caráter sigiloso, conforme se classifica em regulamento, ou seja, os órgãos que executarem despesas sigilosas devem ter um regramento próprio para isso.

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Suprimento de fundos passo a passo

O processo referente ao suprimento de fundos acontece, de forma geral em 4 fases:

Solicitação: quando a chefia responsável solicita a autorização da despesa, com a justificativa necessária e o período de antecedência estipulado pelo órgão;

Concessão: quando o ordenador da despesa autoriza, por meio de portaria. A despesa é concedida em nome do servidor e sempre com nota de empenho;

Aplicação: ao receber autorização para uso dos valores, o servidor deve obedecer o prazo para efetuar as despesas, que não podem ultrapassar o encerramento do exercício financeiro em que foi concedido o suprimento;

Prestação de contas: após a utilização dos valores, o servidor deve prestar contas dentro do prazo estipulado pelo órgão para tal. Exemplos: após 15 dias corridos da aplicação da despesa.

Esperamos que tenha gostado de nosso artigo. Ainda temos surpresa sobre a qual falamos no início do texto: um e-book com um apanhado sobre tudo que vimos até aqui.

Para baixar o e-book “Orçamento público e suprimento de fundos: guia descomplicado - Tipos, funções, dicas de estudo, uso do cartão corporativo, lei 4.320 e questões comentadas”, basta clicar na imagem abaixo:

E-book Orçamento Público e Suprimento de Fundos

Para fazer o curso, você pode se matricular no portal. O investimento é de apenas R$ 69,90, com acesso por um ano ao Pacote Master, que tem mais de 1.200 cursos online.

Você se qualifica e atualiza seu currículo. Aposte em sua carreira: estude no portal que é referência em cursos online com certificado!