O Brasil passa por um momento difícil, principalmente quando o assunto é empregabilidade.

O país fechou o ano de 2019 com um índice de desemprego fixado em 11%, resultando em milhares de desempregados pelo país.

Apesar desse dado, um outro fato vem sendo questionado por especialistas: o nível de satisfação do trabalhador.

Recentemente, foi feita uma pesquisa pelo Instituto Locomotiva com o objetivo de avaliar a satisfação dos trabalhadores com o seu atual emprego.

Nessa pesquisa, ficou constatado que 56% dos trabalhadores com carteira assinada estariam insatisfeitos com a atual posição no emprego que ocupa. Este número é alarmante, pois representa, no total, 18,7 milhões de brasileiros.

Tais dados chamam a atenção e nos levam a questionar saídas para aqueles que se encontram nessa situação.

E uma das saídas que, inclusive, poucos conhecem, é se tornar um perito judicial.

Mas você sabe o que faz um perito judicial? Fica tranquilo, que o Educamundo – maior portal de cursos online do país – criou este artigo e vai explicar tudo que você precisa saber sobre o assunto.

Continue a leitura.

O que faz um perito judicial e como se tornar um?

De modo bem simples, o perito judicial é aquele profissional chamado pelo Poder Judiciário para utilizar os conhecimentos técnicos de sua formação, esclarecer fatos e provas em processos judiciais.

Existem casos que vão parar na justiça e que, de tão complexos, precisam de profissionais qualificados para realizar a perícia e dela emitir um laudo.

Esse laudo vai compor o processo e será utilizado como prova, tanto pelo autor, quanto pelo réu.

Exemplos de trabalho em que é necessária a atuação de um perito são os recentes acidentes envolvendo barragens em Minas Gerais. Sem a análise de engenheiros sobre o fato e a emissão de laudos técnicos bem fundamentados, a denúncia seria frágil e dificultaria a responsabilização dos envolvidos.

Mas afinal, o que é perícia?

A perícia judicial é uma forma de provar determinada situação dentro de um processo. A diferença da perícia para outros meios de prova é que esta, em tese, é mais consistente, pois se fundamenta em conhecimentos técnicos de um profissional habilitado, qual seja, o perito judicial.

Quem pode ser perito judicial?

Quem pode ser perito judicial? Eis uma dúvida bem comum para quem deseja atuar na área.

Qualquer pessoa que tenha uma formação e conhecimento técnico em uma área específica do conhecimento humano pode ser perito judicial. Logo, os engenheiros, médicos, administradores, advogados, biólogos, geógrafos e demais profissionais estão aptos e podem atuar neste ramo.

Para quem segue esse caminho, a perícia judicial possui diversas vantagens. Dentre elas podemos citar uma excelente remuneração, prazos justos para a realização de suas atividades e uma certa tranquilidade no trabalho, sem as tradicionais pressões que são comuns no setor privado.

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Quanto ganha um perito judicial?

Se você tem dúvida sobre quanto ganha um perito judicial e se vale a pena seguir na carreira, eis um dado que motiva os profissionais. Empresas especializadas, como o site vagas.com.br, ao realizar uma sondagem no mercado, citam uma remuneração média de R$ 6.490 e que, a depender da experiência do profissional, pode ultrapassar os R$ 8 mil.

Entretanto, vale mencionar que a remuneração do perito é bem variável, pois o mesmo ganha por trabalho realizado e este será remunerado de acordo com a complexidade.

Se você tiver interesse em aprender mais sobre o tema, o Curso Online Perícia Judicial é a alternativa perfeita para seus objetivos. Inscrevendo-se no portal, você tem acesso completo a esse e a todos os cursos online com certificado presentes no Pacote Master!

Agora que você já sabe o que é perícia, o que faz e quanto ganha um perito judicial, que tal deixar seu comentário sobre o assunto na caixa abaixo? Também não deixe de compartilhar o artigo com amigos e familiares e de se inscrever no portal. Até a próxima!