Informática educativa é o uso dos recursos computacionais e tecnológicos na educação, como recurso pedagógico e forma de promover o ensino híbrido. A informática educativa é também uma maneira de alcançar e envolver a geração de nativos digitais, que já nasceram na era da informação.

A tecnologia tem um crescimento exponencial. A cada dia recebemos uma nova atualização de algum aplicativo (e acabamos lembrando que nem precisamos usar tanto aquele app), uma nova empresa lança um produto que diz ser inovador (e sentimos a necessidade de ao menos conhecer mais sobre ele para, quem sabe, fazer um upgrade trocando nossos dispositivos), uma companhia já conhecida insere um gadget diferente para completar nossa experiência com seus produtos passados e assim ficamos inseridos nesse ciclo de renovações. Podemos entender todas essas mudanças com ensinamentos de cursos online que tratam de história, sociologia, cultura e antropologia, por exemplo, mas somente até nos perguntarmos: o que podemos tirar de proveito da tecnologia? Mais específico: como a tecnologia na educação nos ajuda a repensar o desenvolvimento de nossas crianças em idade estudantil? Um curso de informática nos ajuda a sanar essa questão? Na verdade, acreditamos que um curso online informática educativa tem a resposta para esse questionamento.

Neste artigo decidimos falar como a informática na educação pode ser usada para ajudar na relação entre os estudantes, os profissionais e também os pais e/ou responsáveis. Às vezes podemos ter uma tendência a pensar somente nos lados negativos da tecnologia, mas ela também ajuda na criação e manipulação de jogos educativos, por exemplo, e não devemos deixar de lado a força que ela tem.

 

Antes de tudo, conheça mais sobre a informática educativa no Brasil

 

Antes de começar a utilizar informática na educação dentro de sua sala de aula, esteja ciente de como ela se configura no contexto nacional em que estamos inseridos. Muitos cursos EAD te permitem ter uma clareza acerca de como o contexto histórico brasileiro moldou nosso país em algumas questões e você também deve pensar em fazer esses cursos à distância para ter uma noção mais panorâmica de como nossa população evoluiu – e ainda se desenvolve. Somente com esse movimento, estará preparado para entender mais a maneira como o povo brasileiro se relaciona com a tecnologia.

Existiu um longo caminho até o curso de informática ser uma realidade no país. Não podemos nos esquecer, por exemplo, que por um bom tempo o Brasil era classificado como um Estado de terceiro mundo. Embora essa expressão possa ser entendida de forma preconceituosa, ela diz diretamente da economia de um território. Como então pensar a informática na educação em um país que nem sempre teve acesso à computadores? É nesse ponto que um curso online informática educativa toca. Precisamos entender a história por trás do fenômeno para criar uma maturidade contemplativa para então agirmos sobre determinados preceitos. A informática brasileira não previu como primeiro processo o uso de computadores para o ensino. A própria história dos computadores denota que a prioridade educacional que eles iriam suprir em primeira instância seria das faculdades e universidades.

 

Dos grandes computadores até os computadores pessoais a humanidade seguiu um grande caminho, levando a tecnologia para dentro de casa, popularizando o curso de informática e entendendo que essa invenção do ser humano não precisava ficar restrita a este ou aquele espaço, ou seja, as escolas também poderiam fazer uso dela. Os jogos educativos não precisavam mais serem pensados sem interação tecnológica e os educadores entenderam que existe na tecnologia uma aliada também. Por isso estudar essa história é tão importante: você passa a entender como, no contexto brasileiro, todas essas questões foram trabalhadas. O Brasil é um país de extensão continental e suas cinco regiões se divergem de muitas maneiras, mesmo que se interliguem em outras. Ter essa compreensão espacial, temporal e sócio-histórica pavimenta um caminho de relação com a tecnologia dentro de sala de aula que ainda hoje reflete no seu modo de uso.

Você sabia que os primeiros passos do Brasil em direção à informática na educação foram no início da década de 70? Pois é, dá só uma olhada:

  • A primeira vez que se debateu sobre a utilização da informática na educação foi para o ensino de física, em um seminário realizado pela Universidade de São Carlos e a Universidade de Dartmouth, dos Estados Unidos.
  • A universidades Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), Estadual de Campinas (Unicamp) e Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS) foram as primeiras a investigar sobre o uso de computadores na educação.
  • Já o uso do computador em atividades acadêmicas data de antes dos anos 70: em 1966 a UFRJ teria utilizado uma máquina para estudos e pesquisa, por meio do Departamento de Cálculo Científico.

 

Cursos relacionados que podem te interessar:

 

Estude maneiras de usar o computador e a internet nas escolas públicas

 

Quando começamos a pensar em uma cultura de tecnologia na educação podemos esquecer de fazer a distinção entre algumas escolas e outras. Quer um exemplo? É mais comum ter computadores em escolas particulares do que em escolas públicas. O capital envolvido no ensino particular, que conta com o investimento direto dos pais e responsáveis, faz com que a administração possa investir no próprio ambiente. Quando colocamos essa realidade em frente à de escolas públicas podemos perceber a diferença de investimento. Claro, há casos e casos: em alguns, as prefeituras podem não querer colocar o dinheiro público em computadores; em outros, mesmo que o investimento aconteça, talvez ele nãos seja tão expressivo. Para entender melhor questões dessa natureza, recomendamos cursos online com certificados sobre gestão pública.

Para explorar mais essa diferença, pense nesse cenário: existe uma sala de computadores em uma escola pública com 15 desktops (nomenclatura usada para designar computadores de mesa), a sala com menos alunos conta com 30 pessoas e a média é 40 estudantes em cada classe. Diante desse contexto, temos no mínimo 2 pessoas para cada computador e essa realidade muitas vezes também sofre modificações, com 3 alunos por computador. São 15 computadores para toda uma rede de alunos, o que faz com que os dispositivos recebam desde crianças do ensino fundamental, até mesmo os adolescentes do ensino médio. Percebe como devemos dar atenção especial para essa questão? Como educador, é necessário conhecer os alunos, as expectativas deles e a partir de então trabalhá-las juntamente com a tecnologia. Você pensa em incluir jogos educativos que utilizem a internet? Ótimo, mas e se esses mesmos jogos pudessem também contar com alguma atividade off-line, ou seja, fazer de uma forma que não seja necessário 100% o uso de computadores para que a brincadeira deslanche, mas que mesmo assim a experiência com a tecnologia esteja presente.

 

Procure um curso online informática educativa que te auxilie nessa missão, mas saiba que não é da noite para o dia que tudo começa a mudar. Entenda primeiro o seu cenário, seus alunos e depois pense em como pode agir sobre eles. Faça isso sem esquecer de contar com a ajuda dos pais e também da administração da escola, já que todos precisam estar envolvidos para pensar seriamente sobre como utilizar da melhor maneira possível a informática na educação.

 

 

Esteja ciente sobre as diferentes formas de usar a tecnologia em sala de aula

 

Existe uma grande diferença entre a tecnologia na educação, que como o nome aponta é usada para fins educacionais e de desenvolvimento do conhecimento, e a tecnologia do cotidiano. Muito provavelmente, os alunos chegarão ao ambiente escolar já acostumados com diversos dispositivos: desktops, notebooks, tablets, smartphones, smartwatches (os relógios tecnológicos que se interconectam com os telefones celulares) e óculos de realidade aumentada (eles começam a ficar mais populares a cada dia – faça alguns cursos online sobre tecnologia para se inteiras mais sobre essas mudanças tecnológicas). Diante desse contexto você deve se perguntar como fazer com que a tecnologia na escola se torne atraente para as crianças que já dominam muitos aplicativos e entendem a força desses dispositivos móveis.

Seu papel é mostrar para seus alunos que a informática educativa tem um objetivo específico e ao mesmo tempo agregar seus conhecimentos pedagógicos à mais essa ferramenta, a ponto de conseguir dominá-la fazendo o melhor uso dela. Você também precisa estar ciente que pode haver dificuldade em retirar do espaço as tecnologias próprias que seus estudantes já carregam com eles. Por isso, busque soluções que não envolvam somente os computadores da escola. Claro, você precisa saber antes se seus alunos têm as condições necessárias para engajarem em uma atividade nesses moldes. Faça tudo de uma maneira bem pensada: quer utilizar um aplicativo de celular para passar alguma tarefa? Veja se todos terão acesso a smartphones e talvez seja melhor se certificar disso junto aos pais (algum estudante pode se sentir desvalorizado por não conseguir participar da atividade).

 

Além disso, esteja ciente que você precisa conversar com a administração da escola para saber se é possível colocar algumas ideias em prática. Dizemos isso porque a escola pode ter um plano de ensino específico e sempre é melhor se certificar. Algumas instituições são bastante abertas e dão liberdade para os professores, mas outras não tanto. Lidar com a tecnologia em sala de aula é um desafio de criatividade e também de tato para com o desenvolvimento estudantil. De toda maneira, bata constantemente na tecla de que a tecnologia dentro da sala de aula não pode ser usada para fins que não estejam ligados com o aprendizado escolar.

 

 

 

Pense em como fazer projetos educacionais com a ajuda da informática educativa

Elaborar projetos é algo que exige bastante de quem se propõe a fazer isso – e para dominar essa área, procure cursos EAD que irão te dar uma base sólida. Quando pensamos em educação, a ideia de projeto tende a crescer muito, já que existem vários atores sociais envolvidos naquele processo: o educador em si, os pais ou responsáveis dos alunos, a administração da escola e também os próprios estudantes. Fora o corpo discente, todas as partes envolvidas, quando pensam em um projeto, querem desenvolvê-lo justamente para ajudar na evolução estudantil. É nesse ponto que devemos começar a nos perguntar por que não inserir no início da criação de um projeto conceitos acerca da informática educativa e até mesmo deixar que ela nos auxilie nesse caminho.

Cursos à distância sobre educação podem tocar em diversos assuntos e um que seja focado em informática educativa tem muito a contribuir. Se sua escola não tem uma área dedicada para computadores – como ainda é a realidade de diversas instituições de ensino do Brasil – então comece a estruturar um projeto para angariar fundos e ter isso no espaço. É necessário envolvimento de políticas públicas? Procure os meios legais e administrativos para fazer isso.

 

Do outro lado, a informática educativa também auxilia na criação de projetos, mesmo que ela não seja utilizada e esteja presente somente na parte do desenvolvimento de tal processo. Estar inserido no mundo da educação por meio da tecnologia garante que seu pensamento se expanda, o que permite uma maior diversidade no ensino. Faça com que esse movimento esteja presente durante toda a estruturação de tópicos a serem discutidos em sala de aula, em quais pontos você deve dar mais atenção e leve-o também para a base de todo o processo estudantil. Dessa forma os envolvidos com a educação não deixam de dar valor para como a tecnologia pode agir enquanto uma aliada no processo de aprendizado.

 

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

 

Entenda que a inclusão digital tem um papel social muito forte

Como educador você já deve ter percebido que cursos online com certificados sobre sociologia, antropologia e história ajudam muito na sua relação com o mundo enquanto professor. É a partir de ensinamentos adquiridos com esses cursos online que podemos começar a investigar outras partes do que constitui a sociedade, como a noção de cidadania. Ser uma pessoa atuante socialmente diz muito sobre nosso lugar de fala, acerca nosso posicionamento no mundo. Em um planeta que se discute cada vez mais o uso da internet como exercício da cidadania, você, educador, precisa estar preparado para saber onde é sua posição sobre essa questão. A internet dá voz para muitas pessoas que não sabem como agir em determinadas situações. Ela interliga indivíduos de diversas partes do planeta e que, por algum motivo, passam por situações parecidas e então se conectam emocionalmente com quem está longe. É com essa relação que então aprendemos cada vez mais a olhar para o outro e encontrar parte de nós, perceber que naquele espaço virtual também existe legitimidade sobre os assuntos que precisam ser discutidos e que, algumas vezes, são deixados invisíveis em outras esferas da sociedade real – aquela que existe fora do ambiente cibernético.

O papel do educador é passar seu conhecimento acadêmicos e fazer um acompanhamento pedagógico das crianças, enquanto colabora com a família. Juntas, essas duas partes estão aptas para preparar aquele indivíduo para a sociedade que existe fora de casa e da escola. Existe uma importância política em se entender como cidadão, aquele sentimento de compreender que a diferença pode ser feita e ter a percepção da internet como uma ferramenta para que alguma demanda possa ser conquistada é muito forte. É devido a isso que a inclusão digital diz muito mais do que apenas colocar computadores dentro das escolas e deixar que as crianças brinquem com aquele dispositivo: é uma questão de cidadania. Por isso faça cada vez mais cursos EAD sobre esse assunto e construa seu pensamento com os pontos de vistas variados que nos são oferecidos por diferentes áreas do conhecimento.

Para não ficar com dúvidas:

  • O que é informática na educação? É o uso de ferramentas tecnológicas e de informática no processo de ensino-aprendizagem.
  • Qual a importância da informática na educação? Acompanhar a evolução tecnológica e tornar as aulas atrativas aos estudantes.
  • Quais tipos de softwares podem ser utilizados em um projeto de informática educativa? Tutoriais; exercitação (teoria na aula e exercícios no computador); investigação (pesquisas, tipo enciclopédias); simulação (gerenciadores de cidades, hospitais etc); jogos educativos.

Percebeu a importância de se pensar seriamente a informática educativa? Faça cursos à distância sobre esse assunto e não deixe que a discussão sobre ele seja esvaída dentro da escola, que é seu ambiente de trabalho. O Educamundo conta com um curso online de informática educativa e muitos outros cursos online com certificados sobre essa e diversas áreas. Invista R$ 69,90 por ano e tenha todos os conteúdos à sua disposição quando quiser. Não perca tempo e matricule-se agora. Se tiver dúvidas ou qualquer contribuição sobre a tecnologia na educação, deixe um comentário nesse artigo. Queremos saber o que você pensa e como age acerca desse assunto.