Primeiros Socorros: procedimentos, resumo, manual e curso na área - Blog do Educamundo

 BLOG

Blog Educamundo

Cursos online e o mundo

curso de primeiros socorros
 Equipe Educamundo  07/12/2016

Primeiros Socorros: procedimentos, resumo, manual e curso na área

Já pensou em como agir após um acidente de carro? E quando uma pessoa ingere veneno ou acaba queimando a pele? Pois é, essas situações, infelizmente, são mais comuns do que você imagina e precisam de ações rápidas e eficientes. É para isso que existe o curso de Primeiros Socorros, que orienta e mostra o que fazer antes do atendimento realizado por especialistas.

Após um evento repentino e inesperado, como um acidente, por exemplo, o desespero toma conta. Todo cuidado é pouco, por isso, é preciso ter cautela e paciência para ser delicado e evitar que algo grave aconteça. É aí que muita gente tem dúvida! Por isso, primeiros socorros básicos são tão importantes que tornaram-se assunto principal de muitas palestras, cursos online e eventos direcionados ao público. Para ler um resumo e saber mais sobre a importância dessas práticas, acompanhe o artigo!

O que são primeiros socorros?

Embora pareça uma pergunta simples de ser respondida, ainda há muitas dúvidas a respeito da real intenção (e como devem ser realizados) os primeiros socorros. Segundo órgãos renomados da área da saúde, são os procedimentos preliminares que devem ser tomados imediatamente com a vítima, no local do acidente. É aquela ação temporária, com o objetivo principal de manter a pessoa em condições de vida antes da chegada de um profissional (médico ou bombeiro). Podem ser aprendidos em treinamentos especializados, tanto de forma teórica, com diversos cursos online completos, quanto prática.

De qualquer forma, ao lidar com uma situação difícil, a primeira coisa a fazer é manter a calma e tentar garantir a sua segurança e da vítima, como em um acidente de carro ou incêndio, por exemplo. O procedimento de primeiros socorros só deve ocorrer quando há segurança e bom senso, ficando longe do perigo, afastando curiosos e evitando eventuais tumultos.

O controle também essencial, pois o desespero só piora as coisas e pode levar a consequências maiores. Depois disso, deve-se pedir socorro a um profissional e tomar algumas precauções, sempre com cautela. Cada etapa deve ser realizada com atenção, sem que ocorram problemas e seguindo indicações do manual de primeiros socorros.

Quais órgãos acionar após um acidente ou evento de periculosidade?

Para quem ligar primeiro após um acidente? Quando não há condições do transporte da vítima a um hospital ou posto de saúde, acionar um órgão especializado é fundamental para a sobrevivência do indivíduo afetado. Vários serviços emergenciais têm contato fácil: Bombeiros (193), Polícia Militar (190) e SAMU (192) são os principais. No atendimento, é essencial informar sempre nome, telefone, tipo do acidente, situação da pessoa afetada e local do acidente com o máximo de pontos de referência. Ficar centrado é uma dica eficaz para informar todos os dados rapidamente e com clareza.

Cursos relacionados que podem te interessar:

No Educamundo você se matricula por 1 ano, investindo apenas R$69,90, sem mensalidades. Você terá acesso a mais de 1.200 cursos e contará com a opção de obtenção de certificados de diversas cargas horarias, que vão de 5 até 360 horas. Inscreva-se agora mesmo.

Como avaliar a vítima de forma segura?

A avaliação da vítima é o ponto principal quando se trata de primeiros socorros efetivos, com a meta de garantir condições seguras e livres de qualquer perigo. Vale sempre destacar que você nunca deve colocar sua vida em risco para tentar salvar alguém, em hipótese alguma e independente do motivo. Além disso, sempre é imprescindível priorizar quem corre o maior risco de morte, mesmo que seja o mínimo necessário (já vai fazer diferença, mesmo que você não seja um profissional de saúde).

A avaliação primária deve ser feita sempre seguindo etapas básicas, afinal, é para isso que servem os procedimentos de primeiros socorros: começar pela desobstrução de vias aéreas, para que a pessoa consiga respirar e não sofra uma asfixia. Faça isso com os dedos, abrindo a boca da vítima e remover dentaduras, próteses, sangue, resto de alimentos ou objetos que atrapalhem a respiração. Depois disso, posicionar a cabeça com o queixo erguido, tomando o máximo de cuidado com a coluna cervical. Esse é o principal método para saber se a pessoa está viva e para mantê-la nesse estado!

Outros sinais vitais que podem ser avaliados em sequência são temperatura, pressão arterial e pulso. Eles são facilmente perceptíveis e, na ausência de algum deles, categoricamente afirma-se que há alguma alteração no quadro e funções do corpo. Logo, o cuidado precisa ser imediato. Se o estado de consciência do indivíduo é estável, quando ele tem noção e entende perguntas lógicas, deve-se tranquilizá-lo, atentando-se sempre que o evento acarreta em uma condição anormal para ele, que provavelmente entrará em pânico. Afastar curiosos e conversar com o padecente é uma forma de mostrar que a situação irá se normalizar com a chegada do socorro especializado.

Já quando a pessoa está inconsciente, mas reage a toque ou dor, pressupõem-se que há alguma lesão interna. Nesse caso, não se deve movimentá-la de maneira alguma. Mantenha aquecida com um cobertor ou roupas, além de usar um algodão ou gaze com água em caso de sede. Assim que os profissionais chegarem ao local ou quando a vítima estiver no hospital, você precisa informar com clareza a situação e os detalhes do ocorrido para que a ação seja prática e eficiente.

Lembre-se sempre que, a regra básica de um plano bem-sucedido de primeiros socorros considera três medidas técnicas e práticas: Prevenir, Alertar e Socorrer. Ou seja, garantir a segurança, tanto a sua quanto da(s) pessoa(s) envolvida(s), falar com o atendimento e tomar medidas necessárias sempre que possível, mantendo a pessoa viva. No Curso de Primeiros Socorros, essas etapas são explicadas passo a passo. 

Primeiros socorros: o que não fazer

Infelizmente, quando se trata de primeiros socorros, muitas ações erradas mais atrapalham do que ajudam. Não é à toa que vale sempre reiterar que é primordial ter calma nessas horas difíceis para lidar e realizar os cuidados de modo seguro e eficaz.

Mas, então, o que não fazer? Logo após o evento, movimentar a vítima de forma brusca (em caso de acidentes e quedas), dar bebidas em caso de envenenamento, tentar remover qualquer objeto cravado no corpo ou agir por conta própria sem chamar um profissional especializado com urgência são fatores que colocam a vida da pessoa em risco. 

E receitas caseiras à base de produtos naturais, funcionam? O conhecimento popular mostra que há muitas opções de plantas e soluções que ajudam a aliviar dores, estancar sangramentos e agem até para acabar com o envenenamento. Porém, por mais que tenha algum tipo de comprovação, especialistas não indicam usar essas alternativas após um evento grave. Orientações e avaliações sempre devem ser feitas por um profissional. 

É importante deixar claro que os primeiros socorros são realizados como forma de evitar a morte da pessoa, com atitudes básicas e práticas e que garantam um pequeno bem-estar ao acidentado. É problemático tentar ir além do conhecimento, bem como usar procedimentos por meio de achismos. Nessa hora, a razão é fundamental, com boas práticas para que tudo acabe bem e da melhor forma possível.

Procedimentos de primeiros socorros básicos: o que fazer

Diversos eventos podem acontecer para que uma pessoa esteja exposta a risco de morte ou desgastes graves. Cada evento necessita de uma ação direcionada, por isso, é importante saber o que fazer em cada situação específica. Para ter ideia do que é abordado em um curso de Primeiros Socorros, veja um manual de primeiros socorros básicos!

Paradas cardíacas e respiratórias

São eventos que acontecem inesperadamente e desesperam, mas precisam de ação rápida. Quando uma parada cardíaca não é tratada, logo ocorre a parada respiratória. Por isso, para que a respiração e os batimentos cardíacos permaneçam até que o paciente seja atendido por um médico, é preciso reanimar a vítima, seja com recursos mecânicos (utilizados nos primeiros socorros) quanto elétricos, com aparelhos específicos que só devem ser manipulados por profissionais.

No primeiro caso, imediatamente você precisa fazer uma massagem cardíaca ou respiração artificial. Ambos devem ser feitos após a checagem da inconsciência e liberação das vias aéreas. Na massagem, posicione-se à esquerda da vítima (deitada) e procure o final do osso ‘’esterno’’, localizado na parte anterior do tórax. Com uma mão sobre a outra e os braços esticados, vá comprimindo e soltando o tórax num ritmo frequente. A cada 30 compressões, pare para ventilação e retorne até que chegue a 100. Se outra pessoa estiver apta para fazer a massagem, revese. Em crianças, devido à fragilidade, realize o procedimento com os dedos.

Na respiração artificial, a vítima precisa ficar em uma superfície firme (no chão mesmo). Abra as vias respiratórias (boca) e retire qualquer objeto que impeça a respiração, como dentaduras. Com uma mão sobre o queixo e outra na testa da vítima, feche o nariz dela com os dedos para evitar que o ar escape. Respire fundo e com a boca vá assoprando firmemente, por duas vezes, observando se o tórax se eleva. Caso isso aconteça, o ar está indo para os pulmões e há sinal de melhora. Essas são apenas noções básicas, em um curso online, você aprende o passo a passo para reanimar a vítima de forma otimizada. 

Desmaio

Desmaio é um dos eventos mais comuns e que não oferecem tanta gravidade. Mesmo assim, deixa muitas pessoas sem saber como agir. A perda repentina dos sentidos precisa ser tratada deixando a pessoa de costas, com as roupas afrouxadas, cabeça mais baixa e pernas levantadas. Verifique a respiração e pulsação e aplique compressas no rosto. Caso não desperte em cerca de dois minutos, é preciso agasalhá-la e procurar atendimento médico, pois a vítima pode entrar em estado de choque. Do contrário, depois de acordar, é primordial o repouso até a plena recuperação.


Convulsão

Contraturas involuntárias da musculatura, perda de consciência e movimentos desordenadas são as características de uma convulsão. Quando isso acontece, é necessário que o paciente fique deitado de costas e com a cabeça de lado, para que não se afogue com a saliva. Retirar acessórios como óculos ou colares é fundamental, além de cuidar para que ela não se machuque ao se debater.

Tente proteger a cabeça e nunca introduza objetos na boca para não atrapalhar a respiração. Com esses primeiros socorros efetivos, a convulsão acaba e a pessoa volta à consciência. Depois disso, é necessário procurar ajuda médica para descobrir a causa do problema ou deixar que ela durma por um tempo até que volte à normalidade.

Hemorragia

Quando há saída de sangue após o rompimento de vasos internos, acontece a hemorragia. Esse evento leva a diminuição de oxigênio nos tecidos e pode levar à morte caso não seja tratado rapidamente. É uma situação grave e que necessita de muita atenção. Lembre-se sempre de usar luvas para evitar o contato com o sangue e outras secreções.

Existem dois tipos de hemorragia que ocorrem de maneiras diferentes. A hemorragia externa é aquela em que o sangue é visível, seja de forma lenta ou contínua. Quando isso acontece, a pessoa precisa ficar deitada e o ferimento estancado por meio de uma gaze ou pano limpo, fazendo pressão na área. Se possível, amarrar a compressa evitando apertar, sempre com adereços com o máximo de higiene. A parte ferida precisa ficar elevada até que o socorro médico chegue e realize o procedimento correto.

Já para hemorragia interna acontece em algum órgão e não revela o sangue, saiba que a pessoa entrará em estado de choque rapidamente, além de ficar suando, pálida, com pele pegajosa e lábios azulados. Quando atinge o pulmão, há tosse e até golfadas de sangue que sai pela boca.

O procedimento de primeiros socorros nessa hora é deitar a vítima para que ela não aspire o sangue. Um saco de gelo na área afetada pode ajudar antes do atendimento médico chegar. Em hipótese alguma dê algo para ingestão, nem mesmo água.

Envenenamento

O envenenamento se dá por três formas: envenenamento por inalação, na pele ou por ingestão. Inalação é quando o indivíduo respira algum produto químico ou similar e começa a passar mal. Na pele, quando há contato com um agente periculoso (causando vermelhidão, ardência ou queimadura); e no caso de ingestão, o engolimento do veneno em si. 

Todos os casos exigem cuidados especiais, com o encaminhamento imediato para um pronto socorro, levando sempre o rótulo e todas as informações possíveis do produto corrosivo. Além disso, ler a embalagem pode ajudar, já que há sempre instruções básicas para serem realizadas nessa situação.

E os primeiros socorros, como ficam? Se o veneno for inalado, deve-se arejar o ambiente o máximo possível, evitando que a vítima se movimente. No caso da pele, use água para limpar a área o mais rápido possível. Já quando o indivíduo ingere o produto, nunca deixe que ele beba água, leite ou qualquer líquido. Deve-se transportá-lo deitado e evitar provocar o vômito (essa dica, aliás, vale para todos os casos).

Fraturas

Agir com cautela é essencial nos primeiros socorros relacionados à fratura. Ela ocorre devido à ruptura de osso ou cartilagem, que não podem ser deslocados para que danos maiores não aconteçam. Fraturas abertas e visíveis devem ser tratadas com um curativo para proteção e imobilização da área com pano limpo antes do atendimento. Já nas fechadas, pode-se fazer uma tala com papelão ou travesseiro para imobilizar, sempre com a vítima de barriga para cima e com as costas no chão.

Esse procedimento vale para pequenas luxações ou lesões em locais como quadril, bacia ou costela. No caso do crânio, mantenha a cabeça levemente levantada, atentando-se à manipulação que deve ser leve e sem aperto. Já na coluna vertebral, pode ser necessário fazer respiração artificial. A movimentação deve ser mínima ou nula. Trata-se de um caso grave em que só um especialista pode ajudar e tomar uma decisão que não prejudique a vítima. Essa dúvida é sempre debatida em muitos cursos online, que revelam algumas estratégias de como agir nessa hora de maneira segura.

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica
No Educamundo você se matricula por 1 ano, investindo apenas R$69,90, sem mensalidades. Você terá acesso todos mais de 1.200 cursos e contará com a opção de obtenção de certificados de diversas cargas horarias, que vão de 5 até 360 horas. Inscreva-se agora mesmo.

Queimaduras

Quem nunca se queimou, não é mesmo? Queimaduras são comuns, mas tem vários níveis e motivos, seja por fogo, produtos químicos, líquidos, vapores ou frio intenso. Nesse caso, a periculosidade depende do grau: primeiro, segundo ou terceiro. De todas as formas, porém, é preciso afastar a pessoa do elemento causador da queimadura, mantendo segura e protegida.

Os primeiros socorros atuam em situações graves de queimadura, geralmente quando há dor latente, roupa colada no corpo e outras gravidades similares. Sendo assim, não é indicado manipular o local, estourar bolhas, passar remédio ou qualquer receita caseira. Apenas compressas com água corrente estão liberadas até que o socorro especializado chegue. Locais como face, genitais e vias aéreas são os mais críticos, por isso, é primordial um cuidado imediato pelo profissional de saúde. 

Ferimentos

Ferimentos acontecem de diversas maneiras e com graus diversos, dependendo do acidente. É o rompimento e machucado na pele, afetando ou não tecidos internos. Antes de cuidar, é necessário usar luvas e nunca tentar retirar objetos cravados ou tentar apertar o local. A avaliação é fundamental para saber qual a área afetada e se a lesão é leve ou grave.

Em caso de ferimento superficial, deve-se limpar com água corrente e proteger com gaze ou pano higienizado, substituindo se necessário. Remédios e outras soluções só podem ser aplicadas com a orientação de um profissional. Já em acidentes mais graves, como no abdômen, olhos, tórax ou cabeça, cobrir o machucado é essencial, sempre com materiais higienizados, com firmeza, mas sem apertar. Esse é o procedimento preliminar antes do socorro especializado. Se necessário, mantenha a vítima aquecida.

Dica preciosa: Tenha sempre um kit de primeiros socorros em casa, no carro, no trabalho ou qualquer ambiente em que você passe bastante tempo durante o dia. Faz toda a diferença contar com materiais como gaze, soro fisiológico, esparadrapo, entre outros. 

Por que aprender primeiros socorros?

Primeiros socorros são maneiras essenciais de melhorar o bem-estar das vítimas após uma situação difícil e desesperadora. Ter calma e bom senso são passos fundamentais para um bom atendimento preliminar. Foque em ações efetivas e sempre avise um órgão responsável com profissionais capacitados de imediato. Nunca aja por conta própria e faça o máximo para manter a proteção e segurança tanto própria quanto da pessoa afetada.

É interessante e primordial se aprimorar nessas práticas. Para isso, há cursos online especializados, atualizados com as principais técnicas para reanimação, imobilização e estabilização de vítimas, em todas as situações de emergência. Nunca se sabe quando você pode precisar e, além disso, ajuda a salvar vidas! Para saber mais, acesse o curso de Primeiros Socorros. Além disso, faça sua inscrição no Educamundo e conheça centenas de cursos online em diversas áreas que te dão certificação e conhecimento de forma ilimitada, com um ótimo investimento!

Se tiver alguma dúvida, deixe um comentário. Até mais!

Data Modificação  31/07/2017
Colunista

Equipe Educamundo

 

.

 Aguarde...

© www.educamundo.com.br - Todos os direitos reservados

Use seu smartphone para ler este codigo.

C
o
m
p
a
r
t
i
l
h
a
r