A administração de empresas é essencial para a manutenção e sobrevivência das mesmas. No atual cenário corporativo, principalmente, essa área da Administração é que direciona as organizações econômicas no enfrentamento dos desafios, que são muitos. Não bastassem os inerentes aos negócios, a instabilidade econômica que ainda atinge o país só faz aumentar os obstáculos no caminho do sucesso empresarial.

Considerando esse contexto, observa-se que os profissionais de administração têm que mostrar que estão prontos para as batalhas: capacitando-se e acompanhando cada mudança, cada indicador e cada processo que envolve conduzir as corporações em uma administração eficiente e eficaz. Para isso, esses profissionais devem saber tudo sobre administração de empresas, dos conceitos mais básicos aos procedimentos mais complexos.

A graduação dá um ótimo embasamento para quem pretende atuar na área, mas não basta se formar e parar de aprender. É preciso que haja um comprometimento com a formação contínua e cursos online são excelentes meios para isso.

Aqui no Educamundo temos vários cursos a distância na área administrativa, que capacitam, atualizam e aperfeiçoam qualquer interessado e quem atua nesse campo. Para saber o que faz um administrador de empresas e tudo que profissão exige desse especialista, o portal oferece um curso online que tem tudo o que o cursista procura.

Conheça, por meio deste artigo, o Curso Online Administração de Empresas, uma excelente opção para o seu aprendizado e para constar em seu portfólio. Tanto esse quanto os outros diversos cursos online com certificado do nosso portal têm potencial para deixar seu currículo invejável.

Acompanhe nosso texto com as noções básicas de administração de empresas e com várias dicas sobre como alavancar a sua carreira profissional tornando-se um ótimo gestor empresarial.

Tudo sobre administração de empresas: tipos, portes e características

No primeiro tópico referente aos assuntos abordados em nosso curso de administração de empresas, vamos conhecer cada tipo de empresa, como elas são classificadas de acordo com o seu porte e as principais características. Para saber como administrar uma empresa, gestores devem conhecer como elas são compostas e como se enquadram tributariamente.

Tipos de empresas

Sociedade Empresária Limitada (Ltda.)

É quando o negócio tem dois ou mais sócios, daí o termo "sociedade". Já o termo "limitada" define que os sócios são responsáveis administrativa e financeiramente pela empresa de acordo com o capital social que aplicaram. Por exemplo: a empresa X contraiu um empréstimo bancário de R$ 90 mil e não pagou. O limite da responsabilidade de um dos sócios é R$ 40 mil, mas ele tem um patrimônio pessoal de R$ 100 mil, que poderia cobrir a dívida, mas como o contrato é de sociedade limitada, ele só pode dar a sua parte, ou seja, os 40 mil.

Nesse tipo de sociedade os sócios não respondem pelas dívidas do negócio com seus bens pessoais – os patrimônios de pessoa física e jurídica são separados. Com relação à tomada de decisão, também é o contrato que definirá se algum dos sócios pode decidir sozinho ou se as decisões devem ser em conjunto.

Empresa Individual de Responsabilidade Limitada (Eireli)

Seu funcionamento é como o da limitada, com a diferença que a Eireli é formada por apenas um sócio. As demais características são iguais à Ltda: ele responde financeiramente até o limite do capital social; tem seu patrimônio pessoal separado do da empresa; e usa um nome empresarial.

Empresa Individual

Neste tipo, o empresário não é sócio e sim, seu proprietário. O nome da empresa deve ser o mesmo do proprietário, mas ele pode optar por um nome fantasia. O empresário responde totalmente pelo negócio e pode ter seu patrimônio pessoal utilizado para cobrir dívidas em aberto da empresa.

Na empresa individual não há contrato social, para formalizá-la basta um Requerimento de Empresário com os dados da empresa e do empreendedor.

Microempreendedor Individual (MEI)

Trata-se de uma empresa individual, com as seguintes diferenças:

  • Faturamento limitado a R$ 81 mil (a partir de 2018, até então o limite era de R$ 60 mil ao ano).

  • O empreendedor individual só pode ter um funcionário;

  • Não podem escolher o regime tributário, são automaticamente enquadrados no Simples Nacional;

Caso deixe de se enquadrar em um desses casos, deve fazer a transição para empresa individual.

Sociedade Simples (SS)

Este tipo traz algumas semelhanças com a sociedade limitada. A característica que a difere é a sua finalidade, voltada a unir prestadores de serviços para atividades técnicas, científicas e intelectuais. Engenheiros, arquitetos, advogados, por exemplo, podem optar por esse formato de sociedade (é preciso que sejam profissionais da mesma área).

Sociedade Anônima (AS)

Se difere das outras empresas pelo tipo de capital social, que neste caso, é dividido em ações. Ela se divide em dois subtipos: de capital aberto, que vende ações ao público geral por meio de instituições financeiras, e de capital fechado, que têm o capital dividido internamente, entre os sócios ou convidados.

Portes de empresas

As empresas são classificadas também de acordo com seu porte - normalmente confundido com tipo. Veja como é essa classificação:

Microempresa (ME)

O porte micro se refere às empresas que têm um faturamento máximo de R$ 360 mil por ano. Se não exercem atividade impeditiva (que o regime não permita), podem se enquadrar no Simples Nacional.

Empresa de Pequeno Porte (EPP)

Saber como administrar uma pequena empresa começa em conhecer o seu porte, ou seja, saber o mínimo e máximo de faturamento que ela pode atingir. Essa empresa é a que tem um faturamento entre R$ 360 mil e R$ 3,6 milhões por ano. Também pode se enquadrar no Simples Nacional desde que não desenvolva atividade impeditiva.

Empresas de médio e grande porte

A classificação destas empresas é feita por diferentes critérios. Órgãos públicos e de fiscalização as classificam pelo número de funcionários. Já o BNDES – Banco Nacional do Desenvolvimento - usa o critério de faturamento. Veja o exemplo:

  • Faturamento anual acima de R$ 16 milhões, com limite de R$ 90 milhões: média

  • Faturamento anual acima de R$ 90 milhões, com limite de R$ 300 milhões: média-grande

  • Faturamento anual acima de R$ 300 milhões: grande

Conhecer os tipos e portes das empresas faz parte das noções básicas de administração de empresas que todo profissional deve aprender. Como administrar uma pequena empresa não difere em nada em como administrar negócios maiores. Há o pensamento de que é mais fácil administrar pequenos negócios - o que não é verdade. A diferença é em volume de recursos, a movimentação de pessoas, materiais e finanças, mas os procedimentos e técnicas para o seu bom funcionamento e manutenção independem do seu tamanho.

Considerando isso, tudo o que faz um administrador de empresas também independe de porte ou tipo, ele precisa realizar as tarefas da mesma forma. Até um microempreendedor individual precisa ter noções de finanças, gestão de pessoas, tributação, planejamento estratégico etc. Portanto, um curso de administração de empresas é sempre muito bem-vindo.

Empreendedorismo e plano de negócio: enfrentando a crise

A crise que atingiu o Brasil nos últimos anos e que fez crescer o número de desempregados foi um dos fatores determinantes para o crescimento do empreendedorismo no país. 

Mesmo sendo uma decisão de risco, muitos brasileiros descobriram o sucesso ao abrir o próprio negócio. Essa é uma aposta que pode gerar renda, empregos e impulsionar a economia. Apesar disso, grande parte dos empreendedores não sabem como administrar uma empresa, tampouco se dedicam a planejar de forma detalhada todo o negócio. Esse é um dos motivos pelos quais muitos negócios não dão certo.

Para começar há que se ter duas coisas em mente: aprender como administrar uma pequena empresa e conhecer a ferramenta que é essencial para levantamento e análise de todos os aspectos relevantes para a avaliação da viabilidade de um novo empreendimento: o plano de negócios.

Aprender tudo sobre administração de empresas inclui conhecer esses tipos de ferramentas, que auxiliam desde o início de um negócio. Por isso, vamos conhecer um pouco mais sobre o plano de negócios e sobre como ele pode ajudar empreendedores, assim como outras práticas mostradas em cursos a distância voltados à administração de empresas.

O plano de negócios inclui algumas definições importantes para que o empreendedor tenha uma prévia sobre o lançamento de seu produto ou negócio no mercado, além de servir como análise de possíveis riscos ao empreendimento. Veja algumas delas:

  • A área geográfica que se pretende atingir;

  • Qual será o público-alvo;

  • Quem são os concorrentes – tanto geograficamente quanto os virtuais, caso a ideia seja também de implementar um comércio eletrônico; se não houver a ideia, pensar a respeito, pois essa é uma tendência que só tende a aumentar;

  • Qual a expectativa de crescimento em um período predefinido;

  • Quanto será investido;

  • Quem serão os fornecedores e quantos colaboradores serão contratados; entre outras.

Apesar de ainda pouco praticado, o plano de negócios é um excelente instrumento de planejamento e é visto de forma mais detalhada em nosso Curso Online Administração de Empresas.

Tudo sobre administração de empresas

Cultura de governança corporativa

Como administrar uma empresa da melhor forma? Esse é um dos principais questionamentos de empresários, empreendedores e administradores. Mas não há uma resposta padrão que mostre os procedimentos certos, pois cada empresa tem suas características próprias.

O que se sabe é que a gestão deve contemplar todas as áreas (seja a empresa do porte que for): financeira, marketing, controle de estoque, recursos humanos etc. Mas, além disso, é preciso que os processos de administração da companhia sejam aprimorados, dando transparência, agilidade e autonomia à rotina do negócio. A isso, dá-se a denominação de Governança Corporativa.

Podemos definir a governança corporativa como o conjunto de normas e regras que "põe ordem na casa". É de extrema importância, inclusive, na tomada de decisões. Imagine um impasse entre dois sócios majoritários, uma situação na qual eles tenham opiniões diferentes e discordem a respeito do que fazer. Tendo uma cultura de governança corporativa, certamente haverá uma regra que diga que caminho tomar em uma situação como essa.

A governança participativa, para bem da boa administração, deve fazer parte das noções básicas de administração de empresasheart, pois dá direções para todo tipo de questionamento, dúvida ou impasse. Quem participa da votação? Quem dá a palavra final? Esse orçamento deve ser aprovado por quem? Quais critérios serão adotados para a aprovação de um projeto? Esses tipos de perguntas terão as respostas dadas por esse conjunto de normas.

Tudo mais que você precisa saber sobre governança corporativa está em no curso de administração de empresas do portal. Nossos cursos online com certificado nessa temática proporcionam todo o conhecimento teórico e prático necessários para que o aluno conheça tudo sobre administração de empresasheart.

Práticas da governança corporativa

O primeiro passo para implementar a cultura de governança corporativa é identificar os valores essenciais da empresa que devem se manter. Normalmente seu fundamento se dá sobre valores como transparência, eficiência e responsabilidade. A partir de então são estabelecidas as estruturas para que os valores sejam implementados. Veja 3 práticas que estruturam a implementação:

  1. Ter uma hierarquia clara

Colaboradores e equipes devem ter bem claro quem é a sua liderança direta. É a essa pessoa que todos devem se reportar para definir prioridades e alinhar as ações/atividades.

É importante ter bem determinado quem é responsável pela decisão final caso haja situações de impasse. Lembra do exemplo acima, sobre dois sócios majoritários em discordância? Normalmente quem tem a palavra final é o presidente da empresa. Mas caso a diretoria tenha igualdade de papéis, a governança pode definir que o cargo de presidente será rotativo, por exemplo.

  1. Reuniões de acompanhamento e registro de tudo

Reuniões periódicas são fundamentais para estimular a governança corporativa. Elas devem acontecer entre equipes, sócios e Conselho Consultivo, caso um seja formado. As reuniões terão como objetivo acompanhar o andamento de projetos, passar diretrizes novas, fazer planos de ação com referência a indicadores e metas, etc.

É fundamental que se registre em atas tudo o que acontece na reunião e que se mantenha esses registros organizados e arquivados. Esses registros serão muito importantes caso entre um novo investidor na empresa, como forma de avaliação junto com projeções e balanços financeiros.

Esse tipo de registro pode ser bastante útil também quando a empresa precisar solicitar crédito ou vender ações, por exemplo. As atas podem ser disponibilizadas junto com um acordo de confidencialidade.

  1. A formação de um Conselho Consultivo

Um Conselho Consultivo reúne profissionais de perfis distintos e experientes, que já passaram por desafios com seus negócios. Eles compartilharão suas experiências e darão sugestões para a gestão empresarial. Pode ser composto por um grupo de 3 a 5 pessoas da confiança da direção da empresa, e a frequência com que ajudarão na companhia será definida pela governança.

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Vantagens da governança corporativa

A governança corporativa é considerada o "fair play" no mundo dos negócios, ou seja, carrega consigo a conduta ética de um jogo limpo, um modo leal de agir. É um termo recente no meio corporativo, mas como você já notou, lista na grade curricular de nosso Curso Online Administração de Empresas e certamente será abordada em outros cursos online de administração do Educamundo.

Mas vamos lhe adiantar um pouco mais sobre o que você verá em nosso curso online, e vamos lhe contar algumas vantagens na adoção da governança participativa pelas empresas:

  • Seus métodos tornam-se fundamentais na avaliação de riscos e retorno de investimentos. Isso tem, inclusive, dado evidência ao tema quando o assunto é transparência e eficiência na gestão de empresas.

  • Empresas que adotam a cultura da governança corporativa se consolidam no mercado por conseguir construir uma boa reputação, pois entram em um ciclo de criação de valor contínuo. São mais valorizadas e conseguem captar recursos com mais facilidade.

  • Suas práticas e recursos se estendem a pequenas e médias empresas, sociedades fechadas e até mesmo a estatais e terceiro setor.

Educamundo: os melhores cursos a distância para a sua qualificação profissional

Deu para ter uma visão mais ampla sobre o que faz um administrador de empresas? Não é pouca coisa. Mas os interessados no assunto e profissionais que já atuam no meio podem contar com uma grande variedade de cursos a distância que o portal oferece no campo da Administração.

Além dessa temática, o Educamundo tem muitas outras - são mais de 20 áreas do conhecimento, somando mais de 1.200 cursos online com certificado. Isso significa que aqui no portal há muitas opções de qualificação para você.

Mas o melhor você ainda não sabe: se você se matricular para o curso online que deseja, você ganha o acesso a todos os cursos online do Pacote Master durante um ano inteiro e pode fazer quantos quiser nesse período. Para que isso aconteça, você investe o valor de R$ 69,90 - taxa única e não tem mensalidades.

Faça agora mesmo a sua inscrição e comece a enriquecer seu currículo, preparando-se para disputar o seu lugar no mercado de trabalho.

Esperamos que tenha gostado deste artigo e que nos conte as suas impressões. Compartilhe com seus amigos e familiares e convide-os a vir estudar conosco também. Bons estudos e até mais!