O ensino a distância tem se tornado uma modalidade de estudo cada vez mais popular. O método, que chegou aos poucos e até gerou certa desconfiança, é atualmente o queridinho de muitos.

É claro que a maioria da pessoas já o associam logo de cara a uma forma mais flexível e prática de estudar, sendo perfeita para aqueles que trabalham em horários diferenciados, moram longe da instituição e/ou não podem arcar com as altas mensalidades do curso presencial.

Porém, o curso EAD pode ser ainda mais inclusivo do que isso, e as intervenções psicopedagógicas são super aliadas nesse cenário. 

Intervenções psicopedagógicas tornam o ensino a distância uma ferramenta de inclusão 

Observando as facilidades que o curso EAD traz, podemos claramente perceber o seu caráter inclusivo. Afinal, é por causa dessa modalidade que muitas pessoas com situação financeira pouco favorável passam a ter condições de ingressar em uma carreira, coisa que não aconteceria tão facilmente se existisse apenas o curso presencial.

Sem contar que aquelas pessoas que moram em cidades bem afastadas também passam a ter nova perspectiva de estudo, trabalho e carreira.

Nesse caso, temos novamente a questão financeira envolvida, pois além das mensalidades, o aluno que mora longe da faculdade tem ainda que arcar com os custos do transporte.

Além disso, muitas vezes é bem difícil se locomover, tanto pela questão do longo tempo gasto no trajeto como pelo fato de muitos trabalharem e não conseguirem chegar a tempo na universidade.

Falando em trabalho, muitas pessoas já ingressam no mercado assim que saíram da escola. Nesse caso, principalmente se a rotina for mais puxada, o ensino a distância acaba sendo a melhor opção para estudar.

Ensino a distância: muito além da flexibilidade de horários e das mensalidades acessíveis

O caráter inclusivo da modalidade EAD não se resume a mensalidades baratas e a flexibilidade para estudar quando e onde quiser.

Pessoas com deficiência física, por exemplo, podem se beneficiar bastante com essa modalidade. Isso porque elas sempre têm algum grau de dificuldade para se locomover, até porque muitas cidades ainda não possuem estrutura que facilite a mobilidade nesses casos.

Assim, o ensino a distância se torna inclusivo não apenas na medida em que alunos com deficiência encontram um forma mais prática para estudar, mas também pelo fato dessa inclusão se estender para o mercado de trabalho, já que passam a ter mais oportunidades de emprego.

Entretanto, apesar do ensino a distância ser uma das melhores medidas de inclusão educacional, existem ainda pessoas que ficam de fora dessa modalidade.

Isso porque as TICs, recursos tecnológicos que permitem que o ensino ocorra a distância, ainda não são utilizadas em toda a sua potencialidade.

O que é TIC?

Essa sigla, que significa "tecnologias de informação e comunicação", se refere às novas formas e ferramentas que intermediam facilitam a comunicação, assim como a transmissão de informação. Quando aplicada à educação, elas visam promover o ensino por meio de um conjunto de recursos tecnológicos integrados entre si.

Exemplos de recursos tecnológicos na educação

A internet é uma das principais ferramentas tecnológicas para promover o ensino, afinal, sem ela o próprio ensino a distância não seria viável.

Mas não para por aí, as ferramentas multimídia também são essenciais para facilitar o ensino dentro da sala de aula, pois a partir de vídeos e lousas digitais é possível tornar o ensino mais interativo e fácil de absorver.

Entretanto, é importante entender que muitas dessas ferramentas podem ajudar o ensino se tornar ainda mais inclusivo, permitindo, por exemplo, que alunos com deficiência visual ou auditiva possam ser incluídos no sistema de ensino a distância.

Sendo assim é importante encontrar formas de aplicar recursos tecnológicos na educação a distância.

O ensino a distância sob uma nova perspectiva de inclusão

A evolução tecnológica possibilitou muitos avanços no setor educacional e a associação do ensino tradicional com as chamadas TICs tem sido essencial nos casos em que faltam recursos para ajudar o aluno a aprender de forma leve, simples e fácil.

A psicopedagogia, por exemplo, uma ciência que tem como objeto de estudo a construção do conhecimento do indivíduo, vem utilizando há algum tempo deste conjunto de recursos.

Psicopedagogos usam com frequência elementos como jogos educativos e aplicativos para potencializar essa construção de saberes do aluno.

A partir disso, é possível promover a inclusão de estudantes com alguma deficiência intelectual, transtornos de aprendizagem ou apenas aqueles que possuem alguma dificuldade para aprender.

Contudo, isso ocorre de forma presencial e o desafio da EAD tem sido exatamente transferir esses recursos de inclusão, promovidos pelas TICs, para o ambiente virtual.

Desafios da inclusão no ensino a distância

Aplicar intervenções psicopedagógicas no ambiente virtual ajudará muitas pessoas que tem vontade de prosseguir com os estudos, mas ficam de fora por falta de soluções inclusiva mais efetivas.

Um exemplo que ilustra bem essa dificuldade de inclusão é falta de acessibilidade virtual, uma vez que faltam, nas plataformas de ensino, recursos que integrem alunos com deficiência visual ou auditiva.

Sem contar que os planejamentos pedagógicos nem sempre são elaborados levando em consideração problemas cognitivos de pessoas com deficiência intelectual e com transtornos de aprendizagem.

Mas será mesmo que não existem formas de criar uma plataforma com recursos digitais que facilitem o processo de aprendizagem de alunos com déficit de atenção, por exemplo? É por isso que aplicar as soluções psicopedagógicas na EAD é tão importante.

Outro desafio encontrado em tornar o ensino a distância um agente de inclusão educacional é que boa parte da população brasileira tem pouco ou nenhum contato com a tecnologia, incluindo a internet.

Em geral, são pessoas que moram em locais mais afastados e com condições financeiras pouco favoráveis. Ou seja, justamente o público que se beneficiaria muito com essa modalidade de ensino acaba não sendo atingido.

Sendo assim caso essas pessoas decidam estudar EAD, além do esforço para aprender o conteúdo das aulas, elas precisam ainda encarar o desafio de se adaptar com as soluções tecnológicas até então desconhecidas.

A dificuldade em lidar com as novas tecnologias também dificulta a integração de pessoas mais velhas na modalidade EAD, o que é uma pena, pois eles seriam muito beneficiados.

Afinal, é extremamente importante evitar não apenas o sedentarismo físico, mas também o intelectual nessa fase da vida.

Pessoas mais velhas podem e devem ser muito produtivas, afinal , elas possuem muita bagagem de informações e saberes que podem ser associadas com o EAD e servir de base para a construção de mais conhecimentos.

Os certificados do Educamundo podem ser usados para:


Prova de Títulos em Concursos Públicos

Horas complementares para faculdades

Complemento de horas para cursos técnicos

Progressão de carreira em empresas

Turbinar seu currículo

Revolucionar sua vida profissional e acadêmica

Intervenções psicopedagógicas tornam o ensino a distância mais inclusivo

Frente a esses problemas é importante pensar em formas de integrar todas as pessoas que por algum motivo não conseguem acessar o ensino a distância.

A psicopedagogia pode ser uma solução para isso. Afinal, desde o seu surgimento, essa metodologia visa incluir pessoas que possuem algum tipo de dificuldade para aprender.

O desafio agora é adaptar essas intervenções psicopedagógicas ao ensino a distância. É importante, por exemplo, pensar formas de transferir essas soluções para o ensino de cegos ou surdos.

No primeiro caso, uma alternativa é adaptar o recurso do Braille para as plataformas digitais. Já no segundo, é possível facilitar o ensino de surdos por meio de aplicativos que transformam imagens e textos em linguagem de sinais.

Para incluir as pessoas da terceira idade é preciso encontrar maneiras de incentivá-las. Uma opção é promover iniciativas de educação digital que visem oferecer a eles independência nesse universo online.

É importante mostrar a elas que ambiente virtual não é um bicho de sete cabeças e o fato de não serem nativos digitais não as impedem de aprenderem com a EAD.

Esse é um assunto complexo e que possui várias ramificações, não é mesmo? Se você tem interesse em se aprofundar nele, sugerimos nosso Curso Online Psicopedagogia - Fundamentos Essenciais

O setor da educação é um dos que mais vem sendo impactados com o avanço tecnológico, mas para entender todas essas mudanças é preciso se manter informado. Para isso, nada melhor do que fazer cursos online de capacitação em um portal que é referência em cursos online com certificado.

E então, o que você acha de associar a psicopedagogia com a modalidade EAD? Dê sua opinião nos comentários abaixo. Aproveite e compartilhe com os amigos para ver também o que eles acham!